Aveiro – Uma Meia de Três Quartos
 
 “Aveiro? Por que vamos pedalar tão longe?” Objetava eu quando soube do projeto. A resposta serena do Tó-zé Semedo: - “Há malta mais nova que está a começar e precisa manter-se incentivada”, bastou para que parasse com os protestos e começasse a olear a corrente e a afinar as mudanças da bicicleta.
 
Às vezes, os dias começam nas vésperas e este foi um deles. O nosso presidente Joaquim Romão, depois de reunir todos os capacetes em Torres Novas, fez-nos avançar mais uns largos pares de léguas para Norte. Quando chegámos à Veneza portuguesa, dirigimo-nos ao estádio de futebol para levantarmos os dorsais para a prova do dia seguinte. Mal pusemos o nariz fora das carrinhas, deparámos com um vento que já trocava os bês pelos vês e surpreendeu vários dos rapazes dos pedais, ao mostrar que o Outono começa mais acima e vai esfriando este nosso estreito retângulo.
 
O sol afogava-se lentamente no mar quando caminhámos para a Pensão da Gabi, um edifício espartano, longo e estreito, com quartos limpos, todos com casa de banho e mobílias muito simples dos tempos dos nossos pais ou mesmo dos nossos avós. Não pedíamos mais e o preço módico não poderia ser mais justo.
 
A logística esteve a cargo do nosso “operacional” tesoureiro, Fernando Passinhas, que moveu contactos e influências para conseguir comida ao mesmo preço das camas. Em boa hora a Churrasqueira Tasca acolheu os comensais num reservado contíguo ao restaurante e serviu-nos uma basta sopa de feijão e couve, que ficará nas memórias dos apreciadores e carnes grelhadas. Conversou-se bastante, piadou-se mais e, depois da barriguinha devidamente confortada, ainda cheirámos o sal do porto e da ria, mas o vento, o frio e o sono de alguns encaminharam-nos para vale de lençóis.
 
Às 8:30 do dia, já as garbosas cores do clube se tinham juntado a centenas de outras que aceitavam de bom grado os desafios da maratona de oitenta quilómetros e da meia maratona de quarenta. Abra-se aqui um parêntese e faça-se uma ressalva. Na verdade, os atletas não correram uma meia e sim três quartos da dita, porque, na meta, os conta-quilómetros marcaram a respeitável distância de 62.500 metros. Felizmente, a experiência de alguns elementos que já passaram por surpresas equivalentes, levou-os a verificar a distância real do percurso e, desta forma, não fomos surpreendidos pela distância e podemos gerir convenientemente o esforço aplicado à pedalada, coisa que poderá ter feito perigar a prestação de grupos menos avisados.
 
Mau grado este pormenor, fomos unânimes em classificar a organização com um Bom grande. A partida deu-se à hora marcada; os caminhos estavam bem sinalizados com fitas, inscrições no pavimento, placas de aviso de perigos e houve muito apoio da GNR, bem como de elementos da organização; algumas paisagens eram muito belas, salientem-se as várzeas que ladeiam o Rio Vouga. Como seria desejável, algumas passagens eram bastante técnicas, exigindo a perícia dos pilotos; porém, houve equilíbrio, pois também se rolou velozmente por estradões e por entre a vegetação. Desengane-se quem afirma que a zona de Aveiro é completamente plana. Na verdade, os ciclistas tiveram de suar duas subidas de respeito que fizeram com que o pó das veredas se agarrasse firmemente ao corpo e ao garboso equipamento dos homens do Alter Real BTT.
 
À chegada, o contentamento de todos era evidente; mesmo quem deu uma ou outra queda sem gravidade, quem se esqueceu dos sapatos de encaixe e teve de “pedir emprestados” os pedais de uma pasteleira, quem chegou com as pernas completamente empenadas, nunca perdeu a boa disposição. Considero que todos ganhámos, pelo convívio saudável, por termos superado limites individuais.
 
Destaque especial merece o feito dos jovens Tiago Martins e Diogo Cabaço por terem sido coroados com os louros do prestigiado terceiro lugar, respectivamente nas categorias de juniores e cadetes. O garboso Filipe Santos e o resistente Ricardo Capão também alcançaram o quarto lugar nas suas categorias. Os nossos jovens ficaram assim mais próximo dos deuses.
Até à próxima.
                       
 
Herlander Cordeiro
 
 
Maratona Aveiro